Número de jornalistas assassinados volta a crescer em 2018
  • 20.12
  • 2018
  • 15:50
  • Rafael Oliveira

Liberdade de expressão

Número de jornalistas assassinados volta a crescer em 2018

Foto de destaque: O jornalista saudita Jamal Khashoggi em evento ocorrido em setembro. Ele foi assassinado dentro do consulado saudita na Turquia em outubro. (Middle East Monitor/Handout via Reuters)

Ao menos 34 jornalistas morreram em 2018 por represálias ao seu trabalho, segundo relatório divulgado na quarta-feira (19.dez.2018) pelo Comitê para a Proteção dos Jornalistas (CPJ). O número é quase duas vezes maior do que o registrado pela entidade em 2017, quando 18 profissionais foram assassinados.

Além de assassinatos por retaliação, o CPJ também contabiliza mortes durante o exercício da profissão, incluindo em combate ou fogo cruzado (11, no menor nível registrado desde 2011) e em outras situações perigosas, como protestos (oito ocorrências). Com estas ocorrências, o número sobe para 53 mortos ante 50 registrados no ano passado. 

Tanto o número total quanto o de assassinatos por represália representam os maiores índices desde 2015, quando 73 jornalistas morreram, 51 deles assassinados em decorrência do exercício da profissão.

A organização contabiliza em seu relatório os dois casos brasileiros investigados pela Abraji no âmbito do Programa Tim Lopes. Em janeiro, o radialista Jefferson Pureza foi assassinado em Edealina (GO). Meses depois, em junho, o também radialista Jairo de Sousa foi morto, na cidade de Bragança (PA). Em ambos os casos as investigações apontam para vereadores locais como mandantes dos crimes.

O CPJ compila dados detalhados de mortes de jornalistas desde 1992 e inclui em seu relatório os casos em que conseguiu comprovar relação com a atividade profissional. A entidade ainda investiga 23 mortes ocorridas em 2018 e cuja motivação ainda não foi definida; entre elas, o assassinato do jornalista de Cacoal (RO) Ueliton Brizon, ocorrido em janeiro. O levantamento de 2018 foi feito entre 1.jan e 14.dez.

No início desta semana, o relatório de outra organização dedicada à liberdade de imprensa também apontou aumento no número de mortes de jornalistas em relação a 2017. Segundo a Press Emblem Campaign (PEC), houve 113 mortes em 2018, 14% a mais que no ano anterior. A diferença de contagem entre diferentes organizações se deve à diferença de metodologias de coletas de dados. A PEC considera em seu levantamento todos os trabalhadores de mídia (inclusive motoristas de equipes), por exemplo.

Países mais letais
O Afeganistão foi o país mais letal para jornalistas em 2018. Segundo o levantamento do CPJ 13 profissionais morreram, sendo dez deles assassinados. A Síria, com nove mortos (três assassinatos) e a Índia, com cinco casos (quatro assassinatos), vêm na sequência. Na América Latina, o México aparece como país mais mortífero para jornalistas, com ao menos quatro profissionais assassinados em 2018.

A organização também destaca os quatro jornalistas assassinados em 2018 nos Estados Unidos. Todos os profissionais morreram em 28.jun, quando um atirador invadiu a redação do Capital Gazette, matando também um assistente de vendas do jornal. 

A morte do jornalista e colunista Jamal Khashoggi, crítico do governo saudita que foi assassinado dentro do consulado da Arábia Saudita na Turquia em outubro, também é enfatizada no relatório. 

Khashoggi e a redação do Capital Gazette foram alguns dos jornalistas homenageados pela revista TIME em sua edição especial de Pessoa do Ano de 2018. Além dele, o periódico americano homenageou profissionais encarcerados por conta de seu trabalho. Segundo outro relatório do CPJ, ao menos 251 jornalistas estavam presos em 1.dez.2018.

Assinatura Abraji