Fundação Paquistanesa de Imprensa envia carta a Bolsonaro condenando ataques a jornalistas mulheres
  • 04.01
  • 2019
  • 17:59
  • Cristina Zahar

Fundação Paquistanesa de Imprensa envia carta a Bolsonaro condenando ataques a jornalistas mulheres

 

A Fundação Paquistanesa de Imprensa (PPF, na sigla em inglês) enviou carta em 04.jan.2019 ao presidente Jair Bolsonaro em que condena os ataques a jornalistas mulheres nas redes sociais. A carta faz referência à reportagem publicada pela Abraji em 02.jan.2019

Abaixo, a íntegra do documento, assinado pelo secretário geral da PPF, Owais Aslam Ali: 

4 de janeiro de 2019

Jair Bolsonaro

Presidente do Brasil

Vossa Excelência,

A Fundação Paquistanesa de Imprensa, organização não-governamental independente que promove e defender a liberdade de expressão, escreve esta carta para expressar preocupação com o assédio a jornalistas mulheres nas redes sociais.

De acordo com reportagem da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji), jornalistas mulheres foram assediadas e ameaçadas no Twitter por expressar sua opinião durante a cobertura da posse do presidente Jair Bolsonaro, no dia 1º de janeiro.

Tabata Viapiana, da CBN, e Amanda Audi, do Intercept, foram vítimas de discurso de ódio em um vídeo postado na conta do Conexão Política no Twitter.

Viapiana disse que seu comentário dizia respeito às condições de trabalho dos jornalistas no Palácio do Itamaraty e que foi chamada de mentirosa por isso.

Audi e suas colegas Bruna de Lara e Nayara Felizardo, do Intercept, também sofreram ataques no Twitter desde 23 de dezembro de 2018, quando o presidente Jair Bolsonaro decidiu bloqueá-las na rede social.

Lara afirmou ter sido ameaçada por um ex-assessor do deputado federal Eduardo Bolsonaro por ter revelado que estava sendo atacada por ele. “Postei a página do Diário Oficial com a contratação e exoneração do assessor”, disse.

Felizardo, também bloqueada pelo presidente, expressou solidariedade à colega Audi por ter sido atacada na rede social.

As três jornalistas do Intercept avaliarão com o departamento jurídico do veículo se entrarão com processo por danos morais contra os agressores.

A Fundação Paquistanesa de Imprensa condena esse tipo de ataque nas redes sociais e clama ao governo e às autoridades recém-eleitas para que cessem os ataques a jornalistas. A Fundação Paquistanesa de Imprensa insta que seja garantido um ambiente seguro para que jornalistas e profissionais de mídia possam exercer seu trabalho.

Obrigada por vossa atenção e aguardamos vossos comentários.

Atenciosamente,

Owais Aslam Ali

Secretário Geral

Fundação Paquistanesa de Imprensa

Centro de Imprensa

Shahrah Kamal Ataturk

Karachi

Paquistão

Assinatura Abraji